31 - Quais são as previsões para o futuro do implante Coclear?

O Futuro do Implante Coclear

Hoje em dia, os estudos científicos voltados para a promoção de uma melhor qualidade auditiva de quem possui surdez severa a profunda se dividem em duas linhas de pesquisas. A primeira consiste nas terapias genéticas, que buscam, através da manipulação e inserção de DNA terapêutico, regenerar as células auditivas lesionadas, teoricamente promovendo o retorno de pelo menos uma parte da audição do paciente. Já a segunda frente de pesquisas pretende aperfeiçoar e miniaturizar cada vez mais os componentes do Implante Coclear, criando protótipos de IC totalmente implantáveis e “invisíveis” externamente.

Na primeira linha desses estudos estão trabalhando os pesquisadores das Universidades de Nova Gales do Sul (UNSW), na Austrália, e do Kansas, nos Estados Unidos. Eles descobriram que certo gene (chamado Atoh1), quando inserido na cóclea de camundongos de laboratório com lesão em quase todas as suas células ciliadas (receptoras da audição), promovia uma transformação de outras células ali presentes nas células mencionadas acima, gerando um ganho auditivo de até 20 decibéis. O próximo passo, iniciado em abril de 2014, é testar essa técnica em pessoas com perda auditiva crônica causada pela destruição das células ciliadas.

A segunda linha de pesquisas, que se refere aos avanços dos Implantes Cocleares, é bem mais diversificada e com um maior número de representantes. Seu principal objetivo é desenvolver um melhor sistema de processamento dos sons, buscando proporcionar experiências sonoras mais parecidas com os processos fisiológicos do ouvido humano, além de miniaturizar e tornar externamente “invisível” os IC. As Universidades de Innsbruck (Áustria) e de Salamanca (Espanha) são destaques nos estudos desta área, e, em 2012, pesquisadores das Universidades de Utah e Ohio (EUA) desenvolveram e testaram em cadáveres humanos um protótipo de Implante Coclear totalmente interno, que segue sendo aperfeiçoado pelos cientistas para uma maior miniaturização do aparelho (que hoje mede 2,5 milímetros por 6,2 milímetros) e melhorias na captação dos sons agudos. Segundo os pesquisadores, a alimentação da bateria deste IC se dará durante a noite, com um pequeno dispositivo acoplado à orelha do paciente, e cada recarga deverá durar vários dias.

Um novo chip de processamento de sinal de IC também foi desenvolvido em 2014 por pesquisadores do Massachusetts Institute of Technology, da Harvard Medical School e da Massachusetts Eye and Ear Infirmary. Este modelo também não requer componente externo e sua bateria leva apenas dois minutos para ser recarregada. A carga é de apenas oito horas, mas foi criado também um protótipo prático de recarregador sem fio que se conecta ao celular.

Outros dois estudos chamam a atenção nessa área. Um deles, em desenvolvimento pelos cientistas da Universidade de Michigan (Estados Unidos), é sobre a possibilidade de implantar os eletrodos, que normalmente seriam postos na cóclea durante a cirurgia do IC, diretamente no nervo auditivo, para uma melhor estimulação do sistema como um todo. O procedimento por enquanto só foi testado em animais, mas seus resultados foram positivos. O outro estudo, realizado por cientistas da Universidade de Utah (Estados Unidos), teoriza sobre a possibilidade de, no futuro, os Implantes Cocleares utilizarem a estimulação por impulsos ópticos infravermelhos, ao invés da estimulação elétrica, o que possibilitaria a captação de mais frequências auditivas e uma melhoria na qualidade do som dos IC.

 

Fontes das imagens: Case Western Reserve University/University of Utah e Audiology.

Por Ana Raquel Périco Mangili.

Guia
Tech 4 Health
Vantagens

Faça sua doação

Contatos
Telefones:

(14) 3226-3388 (14) 3202-6091 (14) 3202-6092


Email:

Adap © 2019 - Todos os direitos reservados